Saiba como lidar com a ansiedade e estresse no trabalho

Saiba como lidar com a ansiedade e estresse no trabalho

O estresse e a ansiedade são problemas cada vez mais comuns no ambiente de trabalho atual. Com a pressão por resultados cada vez maiores e a intensificação das jornadas de trabalho, muitos profissionais sofrem com os impactos negativos dessas condições.

O estresse crônico pode levar a uma série de problemas de saúde, como doenças cardiovasculares, depressão e distúrbios do sono. Já a ansiedade pode interferir na capacidade de concentração, tomada de decisões e relacionamento interpessoal.

Nesse contexto, é fundamental compreender os fatores que levam a essas condições e buscar formas de prevenção e tratamento para garantir um ambiente de trabalho mais saudável e produtivo. Tudo isso e muito mais, você vai conferir no artigo a seguir. Continue a leitura e saiba tudo sobre o tema!

Ansiedade e estresse: o que são e o que os diferencia?

O estresse é um conjunto de reações mentais e físicas que prepara um indivíduo para lidar com um problema. Por exemplo: imagine que você esteja andando calmamente na rua até deparar-se com um cão feroz que o persegue. Imediatamente, corpo e mente se unem em um mecanismo chamado “luta ou fuga”, que contrai os seus músculos, acelera o seu batimento cardíaco e dispara a reação de medo para que você consiga se defender ou fugir.

A ansiedade, por sua vez, é uma antecipação do medo, caracterizada por pensamentos de preocupação. Dessa forma, se você começar a pensar que amanhã precisará passar pela mesma rua em que o cão feroz o perseguiu hoje, sentirá um medo antecipatório do futuro, uma preocupação.

Esta é a diferença básica entre o estresse e a ansiedade: o estresse é o que ocorre na hora em que nos deparamos com uma ameaça, enquanto a ansiedade é a preocupação diante da possibilidade de essa ameaça aparecer no futuro.

Por mais que o estresse e a ansiedade sejam muito desagradáveis, eles são mecanismos importantes para que o ser humano possa se proteger. É a ansiedade que leva você a olhar para a rua antes de atravessá-la, por exemplo. Assim, ambos são elementos importantíssimos da preservação e da evolução da espécie humana. Sem ansiedade e estresse, nós não teríamos chegado até aqui. O problema, como sempre, é o excesso.

Como ocorrem o estresse e a ansiedade no trabalho?

O estresse e a ansiedade no trabalho podem se manifestar de diferentes formas. Por exemplo: se você acredita que uma ideia seria muito positiva para um projeto, mas o seu chefe reprova essa ideia e o obriga a seguir outro caminho, isso pode gerar algum estresse. A discussão em que um tenta convencer o outro pode ser muito desgastante e potencializa o estresse na vida profissional.

Já a ansiedade no trabalho ocorre quando os profissionais antecipam mentalmente aquilo que pode dar errado. Se, antes mesmo de apresentar a sua ideia ao chefe, você já pensa que tudo vai dar errado, que ele vai rejeitar a sua proposta ou que os colegas vão ridicularizar você, todos esses pensamentos são considerados ansiosos.

No trabalho, esses dois fatores podem ocorrer por demandas muito complexas, excesso de tarefas, crises financeiras nas empresas e, mais frequentemente, por divergências de ideias com outras pessoas: clientes, colegas, superiores, subordinados, sócios, investidores, fornecedores, entre outros.

Quais são os principais sintomas?

Por mais que a ansiedade e o estresse tenham diferenças técnicas, conforme explicamos acima, o conjunto de sintomas físicos e mentais é basicamente o mesmo. Confira os principais sinais que merecem atenção.

Sintomas físicos

  • respiração acelerada e falta de ar;
  • sudorese intensa;
  • tonturas, fraqueza e sensação de desmaio;
  • dormência e sensação de formigamento (sobretudo nas extremidades);
  • batimento cardíaco acelerado, palpitações e dores no peito;
  • comunicação oral acelerada;
  • tensão muscular e tremores;
  • pernas e braços inquietos;
  • sintomas no estômago e no intestino (queimação, enjoos, azia, vômitos, diarreia etc.);
  • insônia;
  • falta ou excesso de apetite;
  • boca seca;
  • dor de cabeça e/ou enxaqueca.

Sintomas mentais

  • angústia e preocupações intensas (pensamentos negativos intrusivos, muitas vezes catastróficos e desproporcionais aos fatos);
  • medo intenso;
  • alterações de humor e frequente irritabilidade;
  • agitação generalizada;
  • problemas de atenção, foco e concentração;
  • postura pessimista;
  • lapsos de memória;
  • nervosismo e insegurança;
  • sensação de que a pessoa vai perder o controle sobre si mesma ou de que algo muito ruim vai acontecer;
  • pensamentos acelerados (dificuldade de relaxar ou de distrair-se);
  • sensação de observar externamente as próprias ações, como se estivesse fora de si (despersonalização);
  • sensação de que os fatos não são reais, como se estivesse vivendo um sonho (desrealização).

Quais são as causas da ansiedade e do estresse no trabalho?

As causas da ansiedade e do estresse no trabalho podem variar de acordo com o ambiente, o tipo de trabalho, a cultura organizacional e as demandas do cargo. Algumas das principais causas incluem:

  • sobrecarga de trabalho: quando um funcionário é responsável por uma carga excessiva de trabalho, pode sentir-se pressionado e estressado, muitas vezes sem saber o que priorizar;
  • pressão por resultados: a necessidade de atingir metas cada vez mais altas e em um prazo cada vez menor pode causar estresse e ansiedade;
  • ambiente de trabalho tóxico: um ambiente de trabalho hostil, com falta de apoio e cooperação entre colegas e chefes, pode ser prejudicial, sobretudo por fomentar a competição;
  • falta de autonomia: quando os trabalhadores não têm controle sobre o seu trabalho ou não têm voz ativa nas decisões relacionadas a ele, podem se sentir impotentes e estressados. É o caso de equipes lideradas por chefes que microgerenciam;
  • ausência de reconhecimento: o estresse também pode surgir quando o colaborador não é reconhecido pelo seu trabalho. Salários baixos, poucos benefícios e até mesmo a falta de uma palavra amiga geram essa insatisfação;
  • insegurança no trabalho: a incerteza em relação ao futuro do emprego, como a possibilidade de demissão, pode aumentar a ansiedade e o estresse;
  • conflitos interpessoais: conflitos com colegas de trabalho, subordinados, clientes, parceiros ou superiores hierárquicos podem gerar esses problemas;
  • excesso de informações e distrações: sobrecarga de informações, interrupções constantes e distrações no ambiente de trabalho podem tornar difícil manter o foco e gerenciar o tempo, causando estresse e ansiedade;
  • infraestrutura deficitária: a falta de equipamentos, tecnologias e espaços de qualidade para o trabalho também provoca estresse profissional.

O que as organizações podem fazer pela saúde mental dos colaboradores?

Além das iniciativas individuais citadas acima, as próprias organizações também podem e devem agir na administração do estresse e da ansiedade dos seus colaboradores. Para isso, confira algumas possibilidades de ação.

Oferecer treinamento e capacitação a todos

As empresas devem investir em educação corporativa. Esse termo é bastante completo e não se refere apenas aos cursos e treinamentos de capacitação profissional, pois inclui também uma formação humanizada, voltada ao desenvolvimento de valores e competências comportamentais.

Isso beneficia não somente o trabalho técnico de cada um, mas também a evolução dos seres humanos que compõem as equipes de trabalho. Assim, muitos conflitos podem ser evitados ou mais facilmente resolvidos, e os profissionais podem crescer e prosperar nas suas trajetórias profissionais com mais facilidade.

Investir em infraestrutura e tecnologia

Muitas vezes, o estresse no trabalho tem origem em uma infraestrutura problemática. Internet lenta, equipamentos obsoletos, móveis quebrados, materiais de baixa qualidade e falta de utensílios em geral podem prejudicar a execução das atividades e até mesmo a qualidade de vida no trabalho.

Empresas que não cuidam da atualização dos equipamentos, da ergonomia do mobiliário e até mesmo de itens essenciais, como a higiene e a limpeza, podem prejudicar a saúde física e mental de todos aqueles que convivem naquele espaço. Por isso, investir em infraestrutura e tecnologia é fundamental.

Desenvolver e divulgar regras internas

Trabalhar é muito menos estressante quando todos os colaboradores da organização sabem o que se espera de cada um. Por isso, as empresas devem ter regimentos internos que definam o que é permitido, o que é obrigatório e o que é permitido nas suas dependências. Isso evita a ocorrência de erros e conflitos.

Além disso, a organização também precisa definir punições justas para condutas inapropriadas, como assédio, preconceito, insultos, falta de comprometimento, entre outros. Deixar esses itens claros evita que surja o desgaste nas equipes, o que compromete tanto a saúde mental dos profissionais quanto os resultados alcançados.

Prezar pelo respeito e pela harmonia em todas as relações

Organizações verdadeiramente preocupadas com a saúde mental dos seus membros fazem trabalhos práticos voltados à promoção do respeito e da harmonia. Por isso, é essencial incluir esses 2 valores já na identidade corporativa e divulgá-los aos colaboradores, tão logo sejam contratados.

Palestras, pesquisas de satisfação, rodas de conversa e um canal aberto de comunicação com a área de gestão de pessoas podem ser de muita utilidade na prevenção e na resolução de problemas internos de relacionamento. Não são detalhes, mas elementos fundamentais a um ambiente corporativo positivo.

Proporcionar feedbacks éticos e completos

O feedback é o processo em que os líderes avaliam e divulgam os resultados da avaliação de desempenho dos seus liderados. Esse processo pode ser muito construtivo para o desempenho geral da empresa e para o crescimento profissional de cada indivíduo.

No entanto, para que isso seja possível, é primordial que o feedback inclua o reconhecimento dos pontos positivos e a comunicação ética e respeitosa do que pode melhorar. Além disso, algumas empresas também permitem que os liderados avaliem o desempenho dos seus líderes, fortalecendo as equipes de forma completa.

Adotar uma comunicação interna eficaz

O estresse e a ansiedade são amenizados quando os colaboradores sentem que têm liberdade e oportunidade para conversar com os seus líderes. Isso vale para expor as suas ideias, comunicar insatisfações e até desabafar sobre problemas pessoais que possam prejudicar as suas atividades na empresa.

Ter um espaço de escuta ativa faz com que o colaborador se sinta ouvido e amparado. Por isso, construa redes de comunicação interna eficazes, incluindo reuniões presenciais, telefonemas, e-mails, intranet, gerenciadores de projetos etc. Essas ferramentas também ajudam os membros das equipes a manterem-se atualizados acerca das atividades em andamento.

Equilibrar as demandas e definir prioridades e metas realistas

Conforme citamos acima, o excesso de demandas é muito problemático para a saúde mental de qualquer pessoa. Assim, as empresas — e mais especificamente os seus líderes — precisam conseguir equilibrar as demandas entre os profissionais das suas equipes, de modo que ninguém fique sobrecarregado, enquanto outros ficam ociosos.

Nesse sentido, também é necessário verificar se a quantidade de colaboradores é compatível com as demandas. Pode ser necessário fazer novas contratações para dar conta do volume de trabalho sem prejudicar a saúde mental dos envolvidos. As empresas também precisam definir metas realistas, dentro das suas capacidades.

headhunting

Ser justo ao definir salários e benefícios

Não poderíamos concluir essa lista sem citarmos o fator financeiro, afinal de contas, todo mundo precisa de dinheiro para viver. Portanto, as empresas devem garantir aos seus profissionais salários justos e benefícios compatíveis com as suas necessidades. São fatores que despertam a fidelidade e a satisfação do profissional com a empresa.

Aliás, surgem benefícios também do ponto de vista da própria organização. Quando o colaborador está satisfeito e menos estressado ou ansioso, ele permanece no emprego por mais tempo, reduzindo a temida rotatividade profissional.

Promover ações de qualidade de vida no trabalho

Por fim, as organizações também podem promover ações voltadas à qualidade de vida no trabalho, que amenizam o estresse e a ansiedade dos profissionais. Alguns exemplos são:

  • cultivo de áreas verdes na empresa;
  • adoção do home office, do trabalho híbrido ou dos horários flexíveis;
  • criação de espaços de lazer e descompressão, como salas de descanso, televisão e jogos;
  • promoção de eventos internos, como confraternizações de aniversariantes, recepção de novos profissionais, celebrações de bons resultados e festas de fim de ano;
  • adoção de um pet para a empresa;
  • adoção de atividades relaxantes: meditação na empresa, ginástica laboral etc.;
  • organização de palestras, viagens, eventos etc.

O que cada pessoa pode fazer para lidar com esses problemas na vida profissional?

Em níveis saudáveis, a ansiedade e o estresse geram produtividade, proatividade e cautela ao agir. No entanto, o seu excesso gera perda de qualidade de vida, erros, desistências e conflitos. Por isso, precisamos saber como gerenciar essas questões no dia a dia de trabalho. Confira as dicas a seguir.

Seja seletivo na hora de escolher

Para evitar o estresse e a ansiedade no trabalho, em primeiro lugar, selecione uma área profissional que tenha a ver com você. É muito estressante trabalhar com algo de que você não gosta ou que envolve competências e habilidades que estão distantes daquilo que você domina.

Além de selecionar bem a sua área de atuação, também fique atento às empresas nas quais você se inscreve em processos seletivos. Verifique se elas têm uma estrutura adequada e uma cultura organizacional que vai ao encontro dos seus valores.

Tenha uma agenda e utilize-a diariamente

Muitas vezes, a maior fonte de estresse na vida profissional é o excesso de compromissos, obrigações e tarefas. Para evitar que isso ocorra, compre uma agenda e anote tudo aquilo que você precisa fazer, definindo dias e horários para cada compromisso. Assim, você evita ter que depender da memória.

Além disso, ter uma agenda permite que você distribua de forma mais equilibrada as suas atividades ao longo do dia e da semana. Isso permite que você defina as suas prioridades, além de evitar que você fique sobrecarregado em alguns momentos e ocioso em outros.

Saiba priorizar e dizer “não”

Por falar em prioridades, saber estabelecê-las é essencial para amenizar a ansiedade e o estresse no trabalho. Por isso, diante de uma lista de tarefas, defina o que é mais importante e deve ser feito primeiro. Se essa informação não estiver clara, converse com o seu superior para saber qual é a prioridade do momento.

Ter isso em mente ajuda você a dizer “não”. Essa palavra de apenas 3 letras é importantíssima para administrar o estresse. Você pode trabalhar no sábado? Não. Pode ajudar o seu colega agora? Não. Pode fazer hora extra hoje à noite? Não. Apresente as suas justificativas, de modo que você não assuma mais obrigações do que pode dar conta.

Peça ajuda quando necessário

Além de saber dizer “não” quando estiver impossibilitado de fazer algo, aprenda também a pedir ajuda. Alguns profissionais ainda nutrem a crença limitante de que pedir ajuda é sinal de fraqueza e de que têm a obrigação de resolver tudo sozinhos.

Nada disso é verdade. Se você estiver com dificuldades, converse com o seu superior ou com os seus colegas. É melhor “incomodá-los” solicitando esclarecimentos ou assistência do que não dar conta das responsabilidades assumidas ou cometer erros graves.

Mantenha a harmonia nos relacionamentos

A harmonia na convivência entre as pessoas que trabalham juntas é um fator importantíssimo para que elas consigam administrar os seus níveis de estresse e ansiedade. Por isso, seja sempre respeitoso com todos os que convivem com você na vida profissional, inclusive ao manifestar opiniões divergentes. Remova da vida profissional a necessidade de comparar-se e de competir com os outros.

Se alguém for desrespeitoso com você, não retribua na mesma moeda. Mantenha a inteligência emocional e evite criar conflitos. Se necessário, reporte a situação ao seu superior. Além disso, evite descontar no ambiente profissional as suas insatisfações em outras esferas da vida.

Não leve trabalho para casa

Outro aspecto importante para prevenir o estresse e a ansiedade no trabalho é ter horas definidas para dedicar-se a cada área da vida. O dia tem as mesmas 24 horas para todos, e cabe a cada um de nós organizá-las, equilibrando a atenção que damos a cada fator: família, casa, saúde, amigos, lazer, descanso, estudos, trabalho, academia etc.

Portanto, evite levar trabalho para casa ou fazer muitas horas extras. É claro que há momentos em que isso é necessário, mas eles devem ser exceções, e não regras. Dê o seu melhor, mas não exagere na dose para mostrar trabalho.

Não negligencie o descanso e o lazer

Em um desdobramento do item acima, precisamos ressaltar que o descanso e o lazer também são fatores fundamentais da vida. São elementos que constituem parte essencial da nossa saúde mental.

Por isso, durma bem, aproveite as folgas e fins de semana para descansar e não se esqueça de se divertir. Passe um tempo de qualidade com os seus amigos e familiares, tenha hobbies e faça aquilo de que você gosta. Isso é importantíssimo para recuperar as energias e iniciar uma nova semana com mais disposição e eficácia.

Cuide da saúde física e mental

O excesso de estresse e ansiedade pode se manifestar no trabalho, mas depende de tudo aquilo que fazemos em outras áreas da vida. Por serem problemas de saúde física e mental, é preciso que nos dediquemos melhor a essas áreas.

Dessa forma, alimente-se de forma equilibrada, hidrate-se adequadamente todos os dias, pratique atividades físicas com regularidade, tenha boas noites de sono, medite, vivencie a sua espiritualidade, faça séries de respirações conscientes e, sempre que algum sintoma mais preocupante surgir, peça ajuda especializada. Médicos, psicólogos e até coaches podem ajudá-lo a administrar os sintomas e lidar melhor com as situações estressantes da vida, inclusive do trabalho.

Construa uma reserva financeira de emergências

Muitas vezes, o estresse que as pessoas vivenciam associado ao trabalho se dá pelo medo de perder o emprego. É claro que ninguém está 100% livre de isso acontecer, mas fica mais fácil lidar com esse risco quando temos uma relativa estabilidade financeira.

Diante disso, separe uma porcentagem do seu salário todos os meses para construir uma reserva de emergência. Assim, se você for desligado de um emprego, ou mesmo se quiser partir para um novo desafio, não ficará financeiramente desamparado por alguns meses.

Em conclusão, o estresse e a ansiedade no trabalho são questões cada vez mais comuns no mundo contemporâneo e podem ter efeitos negativos significativos na saúde e no bem-estar dos indivíduos. É importante que os empregadores tomem medidas proativas para ajudar os funcionários a lidar com essas questões, incluindo a implementação de programas de bem-estar no local de trabalho e a promoção de um ambiente de trabalho saudável e equilibrado.

Além disso, os indivíduos também devem ser encorajados a buscar ajuda e suporte quando necessário, por meio de aconselhamento profissional, grupos de apoio ou simplesmente conversando com amigos e familiares. Ao trabalharmos juntos para enfrentar o estresse e a ansiedade no trabalho, poderemos ajudar a criar um ambiente mais saudável e produtivo para todos.

Quer saber mais sobre como potencializar a gestão de pessoas na sua empresa e alcançar os melhores resultados possíveis? Então, entre em contato com o Grupo SERES e conheça as nossas soluções em recursos humanos!

 

 

ebook headhunting
BannerChecklist 02 v4
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Nestes 60 anos de Grupo Seres, o mundo transformou-se, e nós, como verdadeiros especialistas em gente, evoluímos junto com ele.  Para marcar esta ocasião especial, vamos embarcar em uma viagem nostálgica, destacando fatos marcantes e curiosidades que pontuaram a história. Acompanhe-nos nesta celebração: