Perfil comportamental: o que é e como saber qual é o seu?

perfil comportamental

Cada um de nós tem diferentes formas de reagir perante cada situação. Isso é algo que percebemos desde cedo e que acontece por infinitos fatores. Contudo, apesar de todos termos individualidades, existe um padrão que permite que sejamos inseridos em somente uma de quatro categorias de perfis comportamentais. Diante desse cenário, processos de contratação passaram a se beneficiar desse mapeamento, pois ele indica a provável reação do profissional no ambiente de trabalho.

O que é e qual a importância do perfil comportamental?

Em termos simples, o perfil comportamental é uma espécie de ferramenta da gestão de pessoas, usada para analisar, identificar e mapear traços de comportamento e competências pertinentes às atitudes dos profissionais presentes na organização.

A importância do mapeamento de perfis comportamentais se deve ao fato de que, a partir dessa compreensão, os gestores podem detectar aptidões específicas, fazer análises preditivas para se antecipar às reações dos colaboradores diante de cenários diversos, entre outros usos fundamentais para criar um ambiente de trabalho harmônico e produtivo.

Quais os exemplos de como funcionam os diferentes perfis comportamentais?

Existem pessoas que são menos flexíveis em relação aos horários de trabalho e preferem rotinas bem regradas. Outros não se importam de trabalhar à noite ou mesmo de madrugada. Uns têm problemas em serem subordinados, enquanto outros não funcionam tão bem sem alguém para lhes dar direcionamentos.

Os exemplos são muitos, assim como os modelos de trabalho, e certamente alguns perfis se encaixam melhor em determinadas vagas. Para fazer o mapeamento do perfil comportamental, testes e relatórios são usados para que profissionais de RH e gestores tornem seus trabalhos de contratação mais acertados.

O que dizem os estudos?

A busca pelos perfis comportamentais é antiga. Os gregos relacionavam os elementos terra, água, ar e fogo com a personalidade das pessoas. Depois, foi atribuída a Hipócrates a criação de novos conceitos: colérico, sanguíneo, fleumático e melancólico. Nota-se que os perfis são sempre divididos em quatro. No início dos anos 1920, o psicólogo norte-americano William Moulton Marston construiu o que dá base a muitos dos processos de hoje: o modelo DISC — formado pelas iniciais de Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade.

Os quatro perfis podem ter definições diferentes de acordo com quem os emprega, alguns usam animais como simbologia para esses perfis, outros têm definições diretamente relacionadas ao ambiente de trabalho, como executor, comunicador, planejador e analista. De qualquer forma, o norte é sempre dado de acordo com as respostas de quem se submete ao teste e que, por fim, será enquadrado em um dos quatro perfis.

Quais são as competências mais exigidas?

A transformação digital tem impulsionado a evolução nos meios de comunicação e consumo, o que tem gerado novas demandas e urgências que antes sequer existiam. O resultado disso é um mercado de trabalho cada vez mais exigente, devido a um mundo que se torna mais competitivo.

Veja algumas das principais competências exigidas pelas empresas modernas, especialmente após as mudanças que a pandemia de Covid-19 tem trazido ao novo mundo:

Resiliência e criatividade

Capacidade para se adaptar a cenários conflitantes e incertezas é uma habilidade muito benquista pelas organizações atuais. Afinal, cenários inesperados sempre existiram e continuarão a acontecer, ou seja, contextos nos quais as experiências e os conhecimentos do profissional são colocados em cheque.

Um panorama desconhecido exige análises cada vez mais complexas e decisões inteligentes, o que abre margem para profissionais criativos, isto é, com potencial ilimitado para pensar, chegar a um resultado e agir.

Controle

O trabalho home office, isto é, o modelo não presencial de relação entre funcionário e empresa, tornou-se muito popular graças à pandemia de Covid-19. Ao mesmo tempo que essa foi uma das soluções mais brilhantes para uma realidade ditada pelas palavras “isolamento social”, profissionais que não têm disciplina e controle para atuar sem supervisão tiveram grandes dificuldades de adaptação.

O mercado de trabalho procura por colaboradores que tenham domínio diante de cenários incertos, que sejam proativos, que sejam mentes pensantes e que tenham controle sobre suas próprias ações, conseguindo atuar de maneira produtiva mesmo diante de adversidades.

Comunicação

No universo corporativo, a capacidade de se comunicar é, sem dúvidas, uma das competências que leva profissionais a se destacarem. O colaborador que sabe usar sua comunicação com responsabilidade, ou seja, evitando ruídos e interagindo da melhor maneira possível com seus colegas de trabalho, líderes e clientes, é considerado uma peça importante para o time.

Essa capacidade de comunicação deve se estender às plataformas digitais, o que pode ser um tanto desafiador para pessoas que não têm muita afinidade com a tecnologia. Por isso, é fundamental que as empresas sempre invistam no treinamento e no desenvolvimento individual.

Como desenvolvê-las?

Para desenvolver as competências mais exigidas pelas empresas atuais, é muito importante que o profissional se mantenha constantemente antenado ao que há de novo não apenas no mercado de trabalho, mas nas mudanças que a sociedade tem passado dia após dia.

Sabemos que o advento da transformação digital tem impactado de forma direta as relações de trabalho, consumo, comunicação e aquisição de conhecimento. Isso significa que é preciso acompanhar as tendências de tecnologia e relacionamento com o mercado de trabalho no mesmo ritmo que elas surgem.

As empresas podem investir em treinamentos e cursos para fomentar habilidades, soft e hard skills, expertises e todo o conhecimento necessário para formar equipes de alta performance. Já o profissional, por sua vez, deve ter sede por aprendizagem, se manter aberto a novas experiências e aproveitar todas as oportunidades que tiver para aprimorar seu currículo e desenvolver sua carreira.

Quais são os principais tipos de perfil comportamental?

Para que a gestão de pessoas conquiste uma equipe de alto desempenho, primeiramente, os gestores devem mapear o perfil comportamental de seus profissionais e listar as oportunidades e os riscos que cada um deles oferece.

Veja, a seguir, os quatro tipos de perfis comportamentais presentes no universo corporativo:

Comunicador

Indivíduos com um perfil mais aberto à comunicação têm muita facilidade em se relacionar. Em geral, são pessoas carismáticas e com grande poder de persuasão, contagiando todos ao seu redor. Além disso, o comunicador gosta de novidades e se empolga facilmente com novos desafios ou projetos, e é ótimo em trocar feedbacks.

Por outro lado, o comunicador tende a ser pouco planejador e analítico, o que pode fazer com que ele foque suas energias demasiadamente em projetos que têm prioridade no momento ou, até mesmo, que são inviáveis.

Analista

Para o colaborador com perfil de analista, muitas daquelas tarefas que causam tédio na maioria das pessoas e as levam a procrastinar não são um problema. O analista é detalhista, organizado e tem o intelecto e a inteligência emocional como características marcantes. Logo, são excelentes na resolução de problemas de maneira eficiente e dinâmica.

Em contrapartida, o analista tem uma tendência ao pessimismo, além de ser um pouco mais introvertido, o que pode atrapalhar na comunicação com os demais integrantes da equipe. Outro ponto que exige atenção é a sua mania por perfeccionismo, o que pode fazer com que sua produtividade caia devido à demora para realizar tarefas.

Planejador

O planejador é o profissional indispensável para a estabilidade de qualquer time. Isso devido ao fato de que ele tem paciência, não perde o ritmo de trabalho, independentemente do momento em que a empresa esteja, e gosta de seguir regras.

Mesmo tendo bastante autocontrole e capacidade para se planejar, o planejador não costuma ser muito conservador, o que abre uma margem maior para a flexibilidade de pensamento. Isso é essencial para a resolução de desafios e improvisação diante de demandas urgentes.

Executor

Esse profissional consegue enfrentar todos os desafios da empresa com a mesma determinação, garra e empenho. Colaboradores executores são competitivos, autoconfiantes e têm uma propensão natural à liderança. Se os gestores precisam que o projeto saia do papel rapidamente, costumam colocá-lo nas mãos do executor.

Contudo, um ponto negativo desse perfil comportamental é que ele pode ser autoritário e, por essa razão, acaba se afastando um pouco da equipe. Por ser altamente competitivo, ele também costuma pegar muitas responsabilidades para si, o que impacta de forma negativa no espírito de coletividade do time.

Quais os testes que as empresas fazem para descobrir o perfil comportamental?

Na Internet, diversos sites oferecem testes gratuitos. Esses testes podem servir como forma de “quebrar o gelo” com o conceito de perfil comportamental. Também, podem servir para que o candidato entenda se determinado cargo tem a ver com sua personalidade.

A empresa que optar pela análise do perfil comportamental no processo, provavelmente, optará por elaborar um teste próprio, se já não o tiver. Em todos os casos, é importante que o candidato seja o mais sincero possível nas respostas, para que a contratação, caso aconteça, seja o início de uma experiência produtiva para todos os envolvidos.

Muitas empresas usam testes de ponta para mapear o perfil comportamental de seus candidatos ou colaboradores já contratados. Em geral, testes e entrevistas são usados para dar suporte a metodologias muito conhecidas, como:

  • STAR (Situation, Task, Action, Result — Situação, Tarefa, Ação, Resultado);
  • DISC (Dominância, Influência, Estabilidade e Cautela);
  • Big 5 (5 fatores comportamentais);
  • HBDI (Herrmann Brain Dominance Instrument);
  • Growth Mindset (mentalidade de crescimento);
  • Grit (tenacidade);
  • e muitas outras metodologias.

Como você pôde ver, compreender os tipos de perfil comportamental presentes nas empresas é muito importante para uma gestão de pessoas mais acertada, pois isso ajuda a delegar tarefas de acordo com as potencialidades e limitações de cada membro da equipe. Também, é importante saber como mapear os diferentes perfis presentes no ambiente de trabalho, por meio de boas métricas e metodologias.

Você tem alguma experiência interessante sobre a importância de conhecer o perfil comportamental que gostaria de compartilhar com a gente? Tem alguma opinião diferente do que foi abordado no conteúdo? Então, deixe o seu comentário!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp